Os 3 vícios de redação que você precisa urgentemente evitar!
5 (100%) 2 votos

Alguns vícios de redação acabam se embrenhando tanto em nosso perfil profissional que, muitas vezes, é preciso muito esforço para se livrar deles. Começando pela escolha de palavras, passando pela linguagem da escrita e chegando até a forma de expor conceitos complexos, nossa redação precisa ser aprimorada constantemente.

Porém, melhorias só vêm após uma análise crítica de quem realmente conhece a produção de conteúdo de perto. É isso o que o Meu Redator sempre se propôs a fazer: preparar textos altamente educativos e claros para seus clientes. Afinal, amamos a ideia de educar nossos redatores. Queremos que eles atinjam com sucesso o âmago das dores do público-alvo, trabalhado no conteúdo.

Vamos entender, a partir de agora, um pouco mais sobre 3 vícios de redação que precisam ser evitados. Entenderemos as razões de sua existência e daremos dicas para que você afaste essas manias de seu perfil profissional como redator ou conteudista.

O primeiro vício de redação a ser evitado é o pleonasmo. Vamos entender porque?

 

Remova o pleonasmo o quanto antes de seus textos

Existe uma longa lista de pleonasmos insistentemente incluídos nos mais diversos tipos de conteúdo na internet. E, por incrível que possa parecer, alguns deles são encarados de forma natural.

Se o blog ou página são seus, não há problema nenhum em ‘deixar escapar’ uns pleonasmos de vez em quando, caso isso não fira os leitores. Mas problemas podem surgir quando entregamos textos que utilizam esse vício de redação a outras empresas, pois eles podem gerar críticas e até por em cheque nossa capacidade enquanto profissionais da escrita. Mas afinal de contas, o que é um pleonasmo?

De forma simples, quando você redunda uma ideia com palavras parecidas, o ‘pecado’ já foi cometido. Vamos relembrar alguns exemplos marcantes de pleonasmos que usamos, muitas vezes, sem perceber:

  • “Entrar para dentro.”
  • “Outra alternativa.”
  • “Subir para cima.”
  • “Encarar de frente.”
  • “Principal protagonista.”
  • “Fatos reais.”

O último deve ter lhe surpreendido pelo uso em diversas introduções ou conclusões de filmes e seriados, não é? Não estamos querendo que você pense que somos absolutamente chatos e inflexíveis quanto ao uso de pleonasmos.

Porém, seria criterioso de sua parte avaliar que tipo de público lerá o texto contratado, para se certificar de não dar ‘bola fora’. Se seu cliente pede uma linguagem coloquial, é claro que se pode caprichar em termos do dia a dia. Mas, repetindo: certifique-se de que esse é o caso, antes de entregar a produção.

De qualquer forma, para estar seguro nessa questão, nossa sugestão é que você remova todo tipo de pleonasmo de seus textos profissionais.

 

Tenha extrema cautela quanto ao vulgarismo

Sabe aquelas palavras ou expressões que são quase que transliteradas do modo simples de falar para a linguagem escrita? Alguns exemplos disso podem ser vistos quando encontramos um ‘pra’ em vez de ‘para’. Ou quando um texto infantil insere a frase ‘Vamo brincá’ ao invés de sua forma correta do ponto de vista das normas gramaticais ‘Vamos brincar’.

É preciso ter certeza, mais uma vez, de que o cliente para quem produzimos deseja, de fato, que temperemos nossa produção com vulgarismos. Do contrário, podemos ter nosso profissionalismo como redatores ou conteudistas posto em dúvida.

 

A obscuridade pode confundir a mente do leitor

A obscuridade é um dos vícios de redação mais difíceis de se enxergar, e isso não é um trocadilho. Quando usamos um linguajar muito complexo ou quando somos muito prolixos corremos o risco de tornar nosso texto incompreensível para o leitor. às vezes queremos rebuscar demais uma ideia, e acabamos não fazendo sentido algum. Com isso, a ação que esperamos que ele tome simplesmente não acontecerá.

Portanto, muito cuidado com frases construídas com detalhes desnecessários. Especialmente quando o desejo é que os buscadores encontrem facilmente um conteúdo para ranqueá-lo ao público, muitas palavras prejudicam a indexação.

Técnicas de SEO precisas, por exemplo, demandam do redator uma simplicidade somada à assertividade ao se comunicar. Exemplo disso é a nota dada pelo plugin Yoast SEO a textos que usam muitas frases com mais de 20 palavras. Você não conseguirá passar pelo seu crivo de diagnóstico. Isso, por sua vez, pode resultar em textos não aprovados pelos clientes.

Portanto, ao escrever, certifique-se de avaliar o seguinte sobre seus textos:

  • Remova o pleonasmo
  • Tenha cuidado com o uso de ‘vulgarismo’
  • Certifique-se de que suas ideias estão expressas de maneira clara

Estes 3 passos te ajudarão a construir um excelente perfil como redator e conteudista. Preze por boas práticas de redação, e sempre terá clientes que o valorização por isso, fidelizando projetos de médio e longo prazo!