É um fato que o Google mudou completamente a maneira de se pesquisar qualquer assunto. Antes, as pessoas recorriam às barcas, livros e bibliotecas físicas quando precisavam de dados sobre um determinado tema. Atualmente, se você quiser encontrar uma informação, é quase certeza de que a achará nesse buscador de maneira rápida e fácil.

O Google é bastante usado no mundo todo, porém ele possui outra ferramenta mais específica e bem importante para quem está estudando: o Google Acadêmico. A seguir, vamos explicar o que ele é, como funciona e quais são as vantagens de utilizar esse instrumento em suas pesquisas. Continue lendo o post e confira!

O que é o Google Acadêmico?

Ele é um mecanismo de busca de materiais acadêmicos, ou seja, lá você pode encontrar teses, artigos, livros e publicações em geral voltadas para o universo estudantil. O objetivo é auxiliar quem está fazendo o seu TCC ou um outro trabalho acadêmico a encontrar as informações necessárias para completá-lo.

A ferramenta foi criada em 2004 e só dois anos depois, em 2006, o Google Scholar (como é chamado nos Estados Unidos) ganhou sua versão em português. Assim como no buscador original, os resultados são ordenados pela relevância e, por isso, certos autores já estão pensando nas técnicas de SEO enquanto fazem suas teses.

Isso porque é sabido que elas influenciam positivamente na verificação que o Google faz do conteúdo. Se ela estiver de acordo com as regras de SEO, possivelmente sua relevância será maior.

Como as duas ferramentas – o Google e o Acadêmico – funcionam de forma bem semelhante, boas práticas de SEO também melhoram as chances de um conteúdo de ensino ser bem ranqueado nas páginas de busca do mecanismo. A data de publicação e o autor também interferem no destaque que ele dará ao artigo. Além disso, o layout de ambos é parecido, o que pode facilitar a pesquisa para quem já está acostumado com o site tradicional.

Apesar das semelhanças, o Google Acadêmico apresenta resultados melhores quando a procura é sobre trabalhos universitários, dissertações, entre outros. Sendo assim, mostraremos no próximo tópico como usar o instrumento. Vamos lá?

Como utilizar a ferramenta?

Para que você possa aproveitar bem o que o Google Acadêmico oferece, vamos explicar o passo a passo de como usá-lo. Ele é gratuito, porém para utilizar todas as utilidades, é preciso ter uma conta no Gmail. Explicaremos a seguir o que é ou não permitido para cada tipo de usuário.

Como acessar

Há duas maneiras de acessar o Google Acadêmico. A primeira é digitando no próprio Google essas palavras-chave e o buscador mostrará o link ao usuário. Já se o objetivo for ir diretamente para a página, ele deve digitar em seu navegador http://scholar.google.com.br.

Para fazer uma pesquisa simples, ele tem apenas que colocar no buscador o tema ou autor que está procurando. Se houver um escritor relevante no assunto, uma pesquisa com o nome dele possivelmente trará diversas publicações que podem acrescentar bastante ao trabalho.

Caso não haja, o pesquisador faz a busca com um título de um artigo ou com palavras-chave relacionadas ao tema e seleciona se deseja encontrar resultados em qualquer idioma ou somente em português.

O Google vai separar os arquivos e apresentar para o usuário. Neste momento, alguns filtros ficam disponíveis para que a busca seja mais específica, como a data de publicação e a relevância. Quando algum artigo ou livro for útil para o trabalho, é possível ver quantas vezes ele foi citado, descobrir como tem que ser feita a referência e conferir artigos relacionados.

Esse recurso é bem interessante para quem quer pesquisar mais dissertações que abordam o mesmo assunto. Ao clicar no link de artigos relacionados, o site mostra demais trabalhos que citaram o livro ou tese em questão. No caso de dissertações, o usuário é capaz ainda de fazer o download delas em PDF.

Além disso, existem mais recursos acessíveis para quem usa a ferramenta e possui uma conta no Gmail que são bastante importantes. Eles auxiliam muito quem está fazendo uma dissertação e, em seguida, vamos explicar o porquê.

Minha biblioteca

Essa funcionalidade se encontra no canto esquerdo da tela do Google Acadêmico. Se você tiver o e-mail do Gmail, conseguirá utilizá-la tranquilamente ao fazer o seu login. Ela é fundamental, porque ela permite que o usuário salve arquivos para ler depois. Quando a pesquisa é feita, junto as opções de citação e artigos relacionados, há uma estrela. Ao clicar nela, a dissertação será salva na biblioteca.

Outra opção que a biblioteca oferece é gerenciar marcadores para organizar a busca. Esses podem ser autores, uma matéria ou um artigo. Quem decide é o dono da conta, afinal, é ele quem estudará por ali. Para ver todos os itens salvos, basta clicar no ícone “minha biblioteca”.

Caso o usuário deseje publicar um trabalho próprio no buscador, ele também ficará salvo nessa pasta. Se você pretende fazer isso, não se preocupe! Mais à frente, falaremos sobre como colocar um artigo no site.

Alerta

Ao acessar a página inicial do Google Acadêmico, há como opção no canto esquerdo: “Minha biblioteca”, “Meu perfil” e três listras que apresentam mais possibilidades. Nesse ícone, uma das utilidades disponíveis é o “Alerta”.

Ele permite que o usuário cadastre um autor ou tema como palavra-chave e cada vez que um novo trabalho relacionado for publicado, o interessado receberá uma notificação em seu e-mail do Gmail. Assim, ele não precisa entrar sempre na página para buscar outra obra mais recente.

Pesquisa Avançada

Para uma busca mais específica, é possível usar mais filtros na aba de “pesquisa avançada” que fica abaixo do “Alerta”. Com ela, o usuário da ferramenta é capaz de procurar artigos com uma frase exata, de no mínimo uma palavra, e até escolher as palavras que não devem aparecer no trabalho.

Se você estiver fazendo a busca, conseguirá escolher ainda se essas palavras aparecem no título ou em qualquer lugar da dissertação, o local de publicação, a data e o autor. Essa opção é muito válida para aqueles que leram um artigo e estão procurando ele novamente, porque como os filtros são bastante exatos, fica mais fácil encontrá-lo.

Na pesquisa simples seria mais difícil, pois com uma palavra-chave apenas, o site mostrará os artigos de acordo com a relevância. Caso essa tese não tenha sido muito citada, por exemplo, ela não estará entre os primeiros resultados e isso não significa que o trabalho não é importante. Esse fato indica somente que ele talvez não seja muito conhecido até o momento.

A aba também é recomendada para quem busca um livro em particular, devido ao recurso de pesquisar uma frase exata. Diferentemente dos artigos, você tem acesso a algumas páginas dele, porém não pode lê-lo integralmente ou fazer o download do conteúdo.

Métricas

Elas são encontradas na mesma aba que o “alerta” e a “pesquisa avançada”. Voltadas para os que desejam acompanhar as tendências de uma determinada área, as métricas mostram quais são as publicações mais relevantes no ramo escolhido.

No lado direito da tela fica disponível o “índice h5” e a “mediana h5”, que exibem a média de vezes que os trabalhos foram citados. A ordem é feita do maior para o menor, então em primeiro está o que mais obteve referências em outros artigos.

Esse recurso é oferecido em 12 idiomas, entre eles, o português. O usuário consegue checar as métricas nas demais línguas ofertadas, se assim desejar. Uma observação: elas podem ser acessadas por quem não tem uma conta do Gmail, assim como a pesquisa avançada.

 

Quais são os benefícios?

Algumas das vantagens ficaram claras no tópico anterior, como os filtros que são acessíveis aos pesquisadores, a possibilidade de criar sua própria biblioteca e a gratuidade. Essa, inclusive, deve ser muito valorizada, porque vários sites e jornais, por exemplo, cobram para apresentar seus conteúdos. Já no Google Acadêmico, mesmo para ter acesso às funcionalidades exclusivas, não é preciso pagar nenhuma mensalidade, basta ter uma conta no Gmail. Contudo, esses não são os únicos benefícios de usar a ferramenta e vamos mostrar agora quais são os demais.

Praticidade

Aqueles que acessam diariamente o instrumento têm a alternativa de fazer o download da extensão do Google Acadêmico e adicioná-la ao navegador da internet. Dessa forma, o acesso será rápido e, ainda, ela formata as referências do artigo de maneira padronizada. Para baixar o botão é só ir nas “Configurações”, que ficam abaixo de “métricas”.

Diversas bibliotecas em uma só

Os materiais apresentados nos resultados são retirados de outras bibliotecas confiáveis, como a SciELO e as de grandes universidades. Então, o usuário tem acesso a todas elas e ele consegue adicionar outras.

Por exemplo, se você tiver permissão para entrar nos títulos da biblioteca da sua faculdade ou pagar para acessar uma terceira, você consegue acrescentar o conteúdo delas ao Google Acadêmico. Para isso, é preciso ir mais uma vez às “Configurações” e clicar em “Links de bibliotecas”. É possível adicionar até 5 ao seu perfil.

O pesquisador pode publicar seu trabalho

Sim, o usuário que quiser, pode colocar seu artigo na ferramenta. Depois de todo o esforço e tempo aplicados na tarefa, ela tem a oportunidade de ser uma referência para outros.

Além disso, o pesquisador consegue monitorar quantas vezes o trabalho foi citado ao acionar o alerta, que envia uma notificação cada vez que isso acontecer. Adicionar sua própria dissertação no Google Acadêmico é simples e rápido.

Dependendo dos seus objetivos, vale bastante a pena, pois uma tese usada como referência causa uma ótima impressão e aprimora o seu currículo. Sendo assim, vamos ensinar como acrescentar o seu projeto no buscador e assim alcançar seus propósitos!

 

Como publicar o seu artigo?

Para fazê-lo, além de ter uma conta no Gmail, é necessário criar um perfil no Google Acadêmico (a aba para realizar a atividade fica ao lado de “Minha biblioteca”). Primeiro, você deve preencher os dados cadastrais, como seu nome, profissão, e-mail e área de interesse.

Em seguida, a ferramenta vai procurar pelo seus trabalhos nas revistas e jornais acadêmicos mais importantes. Ela mostrará quais artigos encontrados você deseja associar ao seu perfil e basta selecionar aqueles que quiser.

Eles também vão ficar em sua biblioteca, junto aos arquivos que você salvar para acessar mais tarde. Não se esqueça de ativar o alerta para receber notificações quando outro autor citar a sua tese!

Leia também:
Exemplos de snippets: como chegar à posição zero no topo do Google

 

E quais cuidados tomar ao fazer sua busca?

O Google Acadêmico tem muitas vantagens, por exemplo, a praticidade, a gratuidade e até a possibilidade de melhorar o seu currículo. Mesmo assim, é obrigatório prestar atenção em certos itens na hora de fazer sua pesquisa.

Apesar de retirar os conteúdos de bibliotecas confiáveis, como foi dito, praticamente todo mundo pode adicionar o próprio artigo ao buscador. Sendo assim, arquivos não tão seguros têm a capacidade de ir parar nos primeiros resultados do Google Acadêmico.

Ainda mais se o autor utilizar as técnicas de SEO na hora de redigir o trabalho, pois esse é um dos critérios de indexação da ferramenta, assim como a data de publicação e o número de citações em outras dissertações. Por isso, leia com atenção e certifique-se de que aquela é uma boa fonte para usar em seu projeto.

Além disso, é muito importante utilizar outras plataformas como um complemento do Google Acadêmico. Ele é um dos melhores mecanismos de busca com toda certeza, porém é sempre relevante buscar informações em outros meios. Afinal, ninguém faz uma dissertação apenas com uma fonte, certo?

O Google simplificou o processo de pesquisa sobre todos os temas que pudermos imaginar. Da mesma maneira, o Google Acadêmico foi criado com o objetivo de facilitar as buscas acadêmicas para os estudantes. Esses são capazes de encontrar teses, dissertações, livros e demais publicações em segundos.

Há alguns macetes fundamentais na hora de fazer sua busca, por exemplo, recordar-se dos filtros e da opção de pesquisa avançada, pois ambos têm a capacidade de achar melhores resultados para você.

Lembre-se dessas dicas e aproveite essa poderosa ferramenta que é o Google Acadêmico! Agora que você já sabe tudo sobre esse assunto, que tal aprender como fazer para o seu site ficar na primeira página do Google?

 

Escrito por:

Juliano Franco Duarte
CTO Meu Redator